Vamos precisar de web designers no futuro?

7 min.
futuro do webdesigner
Última atualização em 15/06/2020

Que web designer não conhece a sensação de impotência e desamparo quando se depara com anúncios do género “Cria o teu próprio site - de forma grátis e rápida!”. Uma pessoa rapidamente se questiona: "A minha profissão está a morrer? Serei de todo necessário no futuro?" Tenho-me dedicado a esta questão um pouco mais intensamente e gostaria de vos apresentar as minhas conclusões sobre este assunto.

Um olhar sobre o passado - o desenvolvimento do web designer

Uma pequena viagem aos primórdios do web design deve ajudar-nos muito bem a descobrir como esta profissão poderá continuar no futuro, dado que ela não seguiu de forma alguma um caminho linear. Desde o surgimento da WWW, por volta de 1991, as exigências tecnológicas, gráficas e psicológicas da web e dos seus utilizadores assistiram a constantes mudanças - e com isso as exigências da profissão de web designer.

Os primórdios do HTML e do CSS

No início, por exemplo, não havia elementos gráficos inseridos e todas as páginas eram programadas em HTML, de forma que web designer e desenvolvedor web ainda eram uma única profissão. Somente a partir de 1996 as folhas de estilo foram integradas com a ajuda de CSS, de modo a que um design individual do site fosse possível.

O que inicialmente era apenas uma ferramenta para exibir informações escritas, tornou-se agora uma plataforma importante de auto-marketing digital para muitas empresas. Hoje em dia, é difícil imaginar o nosso quotidiano profissional e privado sem sites.

A procura aumenta com o volume

Até há alguns anos podias-te destacar pelo facto de teres um site; agora isto tornou o programa padrão para todos os que desejam oferecer os seus serviços ou partilhar os seus conhecimentos e experiências. Com esta mudança, o papel do web designer tornou-se cada vez mais importante e também dividido em novas categorias. O que outrora podia ser feito por uma pessoa - nomeadamente o carregamento de textos com formatação limitada para um servidor web - é agora muitas vezes feito por toda uma equipa. Novos cargos foram adicionados, tais como UX designer, desenvolvedor frontend e backend, designer gráfico no campo digital e, claro, web designer. Por isso, as áreas de responsabilidade de cada profissão dependem fortemente da respetiva estrutura da empresa.

Javascript, PHP e outros

Devido ao crescimento constante da WWW e ao progresso tecnológico, tornou-se essencial tornar esta tecnologia acessível ao "consumidor normal".

Hoje em dia, quase todas as pessoas têm a oportunidade de se tornarem visíveis na web. A riqueza de informações cresceu tanto que quase só sabemos navegar na internet com a ajuda dos motores de busca.

Além disso, outras linguagens de programação foram adicionadas à combinação original de HTML e CSS. Javascript, PHP, Python (só para citar algumas) devem ajudar a libertar a nossa criatividade.

Agora podemos incorporar animações no nosso navegador web, assim como criar vídeos, fotos, alterar gráficos, gerar paralaxe, tornar certas áreas acessíveis a determinados utilizadores. Além disso, podemos integrar conteúdos de terceiros (como publicidade) e permita que o utlizador decida por si mesmo quais as informações que são armazenadas no seu navegador. Ou podemos criar experiências complexas, como jogos de browser, ou exibir informações adaptadas ao utilizador individual, como por exemplo, acesso a bancos online. Só para citar algumas possibilidades.

WordPress webdesigner

O que é que os modelos realmente fazem?

É moroso escrever laboriosamente cada linha de HTML para cada novo site. Como programador, eu guardava trechos de código já escritos para poder usá-los novamente. Por outras palavras, “copiar e colar” da minha própria biblioteca, a forma escrita da ferramenta "arrastar e largar", que posso usar para criar sites, mesmo como um utilizador inexperiente.

Entretanto diferenciamos entre ferramentas de arrastar e largar (por exemplo, Wix ou alguns plugins do WordPress, como construtor de páginas) e modelos, ou temas (como os de WordPress ). Outra diferença aqui é a designação CMS (Content Management System), em que o WordPress com a sua quota de mercado está bem na frente seguido por Joomla, Drupal, Magento (e-commerce), PrestaShop (e-commerce) e outros CMS menos conhecidos.

Como utilizador, geralmente preciso de ter pelo menos um conhecimento básico de programação se quiser criar o meu site com a ajuda de um CMS gratuito. Sem esse conhecimento, as funcionalidades básicas estão disponíveis para mim, mas a liberdade no design não é assim tão simples. Agora já me posso contentar com a versão limitada, lidar em detalhes com a programação ou comprar temas que só tenho de preencher.

Arrastar e largar

Ferramentas de arrastar e largar, como Squarespace, Wix, Weebly, por outro lado, dão-me liberdade de design com pouca experiência. Pelo menos à primeira vista. Porque se quiser implementar designs muito específicos ou integrar funcionalidades mais específicas (loja online, área de utilizador, etc.), aí rapidamente chego aos meus limites, pelo menos no que diz respeito às versões gratuitas. Além disso, o meu site só é exibido com contas pagas que funcionam como uma assinatura, sem publicidade e sem uma marca de design clara.

Estas condições, por sua vez, levaram a novas especificações. Agora, existem desenvolvedores WordPress especializados que lidam apenas com WordPress e PHP, mas infelizmente também existem os tais “web designers” que oferecem sites de baixa qualidade por muito dinheiro pelo método de arrastar e largar.

FREE DEV Programa RAIDBOXES

O que significa isto para o web designer?

À primeira vista, parece que a nossa profissão pode morrer nos próximos anos. Tens quase a sensação de que em breve a nossa experiência já não será mais necessária. Se todos agora podem montar o seu próprio site ou comprar temas com pouco dinheiro, como posso eu, como web designer, justificar que um site para mim pode custar vários milhares de euros, dependendo do tamanho? E devo ajustar meus preços para permanecer competitivo?

O que é que nós, web designers, fazemos que estas ferramentas simplesmente não conseguem fazer?

Criamos sites que são 100% alinhados com a marca da empresa. Os nossos sites focam-se no utilizador e na sua experiência. Nós colocamo-nos no lugar dele, rastreamos os seus potenciais erros  e evitamos a frustração antes que ela surja. Nós mantemos o site atualizado, gerimos a sua segurança e estamos em contacto pessoal com os nossos clientes.

Enquanto um modelo é adaptado a um público mais vasto, eu sento-me com o meu cliente e tento criar algo que seja feito à medida dele. Os sites que criamos para os nossos clientes são exclusivos e não contêm marcas de terceiros na área do rodapé. Com os meus sites, o meu cliente sabe exatamente o que é rastreado e armazenado para que ele possa, de consciência tranquila, criar um aviso de cookie . Os nossos clientes obtêm o que precisam. Às vezes, isso inclui a criação de uma identidade corporativa completa, outras, apenas uma landingpage, e outras ainda, apenas alguns conselhos.

Domínios, backend, design responsivo

Nós, web designers, estamos familiarizados com o alojamento de domínios, sabemos como entrar no backend, podemos encontrar e corrigir erros. Poucos programas oferecem um uso suficientemente maduro em dispositivos móveis, o que é obviamente insuficiente a longo prazo, com mais de 60% de acesso em a partir de ecrãs mais pequenos.

Em que mais prestamos atenção? Conteúdo otimizado para SEO, tempos de carregamento rápidos, imagens otimizadas para a web e vídeos, pares e tamanhos de fontes, antecedentes legais. Porque é que o fluxo de um site funciona harmoniosamente? Quanto texto é considerado demais? Como organizamos a informação de maneira que seja fácil para o leitor digerir - e, assim, chegue até ele em primeiro lugar?

Estes são tópicos com os quais lidamos diariamente, que inicialmente são estranhos para um leigo e que não são facilmente abordados por construtores de páginas e temas.

Como faço para lidar com isso pessoalmente?

Devo ajustar os meus preços? Não. O meu tempo e conhecimento não perderam o seu valor. No entanto, entendo que existam clientes que não podem (ou não querem) pagar um site criado por mim. Acho isto perfeitamente aceitável.

Especialmente como novo empresário, estes custos muitas vezes não são contabilizados. Eu até recomendo a estes clientes que usem as ferramentas do kit de construção. Senta-te por uma tarde, assiste a tutoriais e cria tu mesmo o site. Ofereço os meus conselhos e explico os prós e os contras. Um site criado por mim pode inicialmente representar muitos custos, mas também um método de pagamento do tipo assinatura pode causar custos mais elevados a longo prazo. Se eu perceber que falta afinidade técnica, até me ofereço para fazer breves apresentações sobre estas ferramentas.

Simplesmente temos que estar cientes de que nem todos precisam de um site criado profissionalmente e, portanto, podem usar as ferramentas que já foram desenvolvidas positivamente.

Os websites são ferramentas de marketing e, dependendo dos serviços que a minha empresa oferece, websites "prontos a usar" podem ser suficientes.

E não é raro que esses clientes voltem para mim mais tarde, quando têm os meios financeiros para obter um site personalizado profissionalmente.

Alojamento WordPress amigo do ambiente

Um olhar sobre o futuro dos web designers

Numa altura em que quase todas as informações estão disponíveis publicamente, isto não significa automaticamente que tenhamos tempo e paciência para lidar com elas. Apesar de programas como o WISO ou a ferramenta online Elster, a profissão de contabilista não está extinta. Pelo contrário! Apesar de tudo, ainda precisamos dos seus conselhos de especialistas.

Talvez a nossa profissão também se desenvolva um pouco mais afastada da prática, como função de consultor. Talvez os nossos futuros clientes se “desenvolvam” mais com a ajuda da nossa orientação especializada.

Claro que quem trabalha com tecnologia também não se pode dar ao luxo de ficar parado. Tal como a profissão de web designer foi mudando constantemente desde o seu início, terá de se continuar a adaptar no futuro. Temos de considerar constantemente o valor agregado que oferecemos em comparação com programas automatizados e expandir ainda mais.

"Mudança" também significa possibilidades interessantes de desenvolvimento

Podemo-nos especializar em diferentes áreas e, por exemplo, focarmo-nos mais no utilizador e na sua experiência. As experiências digitais estão a tornar-se cada vez mais individuais. Quem sabe, talvez no futuro vejamos sites com aparência diferente em cada dispositivo e para cada utilizador? Talvez os nossos cartões de visita digitais sejam em breve hologramas? As funcionalidades VR e AR, que definitivamente serão integradas em sites no futuro, podem ser ativamente moldadas por nós, como designers. Um site ainda tem a ideia básica de apresentar informações. Mas a forma como comunicamos essas informações no futuro, não há limites para a nossa criatividade - e temos essa vantagem sobre os programas automatizados.

As profissões de TI ainda são procuradas e oferecem um futuro promissor e uma remuneração atraente, não apenas na Alemanha, mas em todo o mundo. Não é à toa que anunciamos “moldar ativamente o nosso futuro”.

Depois de estudar design de jogos e escrita criativa na verde Auckland, na Nova Zelândia, a Sonja especializou-se em design de web e aplicações e seu desenvolvimento. O seu foco é a gamificação e a exploração da motivação e experiência do utilizador, aliado à paixão e curiosidade pelas tendências tecnológicas.

Artigos relacionados

Comentários sobre este artigo

Escreve um comentário

O teu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com * .